Despedida da Rua Augusta: última fachada traz ‘a Cara da El Cabriton’

Despedida da Rua Augusta: última fachada traz ‘a Cara da El Cabriton’

24 de outubro de 2021 0 Por Carol

Em 2008 a El Cabriton inaugurou sua loja na Rua Augusta ocupando o ponto onde até então existia a Loja do ET. As paredes internas da loja estavam pintadas de tinta prateada (!) e a grana era curtíssima.

Qual foi a solução? Pegar lambe-lambes que foram descartados pela Gráfica Fidalga e cobrir todas as paredes. Na época, colava-se muitos cartazes de shows em muros e vários deles foram parar na loja. 

Em 2011, a El Cabriton foi reformada e nós voltamos à Gráfica Fidalga. Mas dessa vez, com os lambes por encomenda. Uma super evolução! 

O espaço interior tinha um visual extremamente poluído pelo excesso de cores e palavras, além das paredes externas que mudavam a cada mês com uma arte diferente. Isso virou nossa marca registrada e se transformou no que chamamos de Projeto Fachada.

Como o próprio nome diz, todo mês um artista pinta a fachada da loja de forma autoral transformando-a em uma exposição de arte inédita e ao ar livre. A gente sempre duvidou que exista outro muro no mundo que tenha mudado tanto e abrigado tanta arte!

COMO DIZIA OZZIE OSBOURN, I’M GOING THROUGH CHANGES

Após 13 anos de história, a loja física da El Cabriton está deixando a Rua Augusta. Sim, são muitas histórias legais, de encontros, desencontros, alegrias, tristezas, risadas, choros e ….muitas, muitas camisetas! A loja mais legal da cidade de São Paulo – vai mudar de endereço, e a icônica fachada traz em sua última edição (#131), um pouco da cara dos que fizeram parte da nossa história, que deram vida à nossa loja.

Através do projeto “A Cara dos Lugares”(@acaradoslugares), com o apoio da arte, promovemos uma espécie de aglomeração, finalizando nossa passagem pela Rua Augusta ao realizar a colagem desses retratos, lado a lado, numa forma de unir as pessoas e espalhar seus sorrisos.

Conversamos com Bia Ferrer (@biaferrerartes) e Priscila Torelli (@prixprixprix), as artistas por trás do projeto, as responsáveis por eternizar A CARA DEL CABRITON.

FACHADA #131 – A CARA DEL CABRITON

Bia Ferrer é fotógrafa de moda e comportamento há 20 anos, mas hoje, como artista visual faz uso de diversas técnicas: fotografia, colagem, artes digitais, projeção. Com o tempo começou a utilizar vários suportes como expressão. Junto de Priscilla Torelli que é jornalista, criadora do perfil do Instagram @vilabuarque, as duas foram parceiras criativas na jornada em descobrir ‘Qual a Cara do Bairro’, no caso, com o 1º projeto criado por elas na Vila Buarque e arredores.

A ideia fez muito sucesso ao levar arte para milhares de pessoas em plena pandemia. Elas já se conheciam há algum tempo, mas foi neste período que decidiram se unir. Chamadas para dar a última “cara” para a última fachada da nossa loja, elas explicam um pouco de como foi o processo e suas inspirações.

Através de uma chamada nas redes sociais, a El Cabriton recebeu fotos de amigos, clientes, artistas, equipe, apoiadores. Primeiro, Bia e Priscila fizeram a pré-produção das fotos, depois a criação dos lambe-lambes. Após isso veio a etapa da colagem no muro, no caso, da fachada da loja.

A ideia de Bia e Priscila começou porque ambas queriam criar um projeto de arte inclusivo para que todos pudessem participar, sem a necessidade de ir até um museu.

Priscila conta que ama viajar, tem um filho de 6 anos e é extremamente apaixonada por fotografia. Teve a oportunidade de conhecer 58 países e como outsider, sempre gostou de lugares alternativos. Com isso, sempre fotografou muito.

“Fiz cursos e gosto de estar com a máquina na mão. Não tenho uma carreira artística como a Bia, mas isso sempre esteve comigo. Me inspiro muito em Francesca Woodman, gosto de cinema alternativo, tenho escutado o podcast do Mani Brown e nas minhas playlists tocam de samba raiz à Céu e Thiago França”.

Rua Augusta <3, nossa despedida

Bia se transformou depois de conhecer os trabalhos de Diane Arbus e Nan Goldin. Tomou gosto de fotografar a cara das pessoas pelas ruas quando, após planejar sua 1ª viagem internacional, teve sua curiosidade despertada ao pensar: “Qual a cara das pessoas que ali viviam?”.

Nos anos seguintes, essa dúvida levou ela a procurar resposta em 10 países, fotografar cerca de 7k de pessoas, e expor o resultado, em formato de lambe-lambe em ruas de diversas cidades do mundo.

A CARA DA EL CABRITON

Sobre o convite para a última fachada da El Cabriton, a dupla conta:

“O convite foi ótimo pois tinha muita vontade de fazer a fachada da El Cabriton. A minha vez chegou no momento mais especial de todos, que marca uma mudança. Foi muito feliz. Todos ajudaram a gente, a sensação é muito boa ao fechar um ciclo na Rua Augusta mas povoando a loja, ainda mais nesse período em que não podemos aglomerar. Dessa maneira conseguimos unir todos de uma forma só, do jeito que o público sempre gostou.” – diz Bia Ferrer.

Priscila também concorda que é uma honra muito grande fazer parte do fechamento desse trabalho e uma coincidência, já que a El Cabriton vai mudar para perto do seu bairro.

“A El Cabriton sempre apoiou os artistas independentes. O apoio mais pleno que se pode dar! Abrir a sua casa na Augusta deu oportunidade para tantos serem vistos com suas artes e iniciativas. A fachada foi muito interessante pois finaliza o processo da própria loja, de quantas pessoas passaram por ali. De número #131, a loja e seus projetos são uma referência do cenário artístico independente. Estar lá neste momento é muito significativo: antes tivemos 131 mensagens, 131 painéis, todas essas camadas estão sendo seladas por nós. O nosso trabalho passa esse pertencimento, sensação de comunidade e marca um território significativo”.

Priscila completa: “Não podemos deixar de falar sobre o papel da arte e suas vertentes. O que seria de nós nessa pandemia sem a arte, música, livros, filmes e o movimento que os artistas trouxeram neste período? A arte tem um papel fundamental. Só a arte salva”.

NOS VEMOS NA SANTA CECÍLIA

A El Cabriton se despede da Rua Augusta após 13 anos e os lambes, assim como o projeto fachada, não irão junto com a gente para Santa Cecília. Aguardamos vocês em Novembro na Rua Fortunato,121 – Santa Cecília. São Paulo, para começar a escrever novas histórias! <3

Imagens: Thiago Marcondes